Exames que toda grávida deve fazer

A gestação é um período de muitas perguntas e dúvidas. Recebi um material da assessoria da ginecologista e obstetra Dra. Silvia Herrera, coordenadora de Medicina Fetal do SalomãoZoppi Diagnósticos, listando os principais testes que devem ser realizados durante as diferentes fases da gravidez. Achei bom e reproduzo aqui.

Minhas três gestações tiveram acompanhamentos bem variados (a primeira foi em Tóquio, a segunda em Curitiba e a terceira em São Paulo, todas na rede particular) e dos exames listados eu não fiz NIPT e Doppler Colorido relacionado ao risco de eclâmpsia e os exames invasivos.

http://www.maecomfilhos.blog.br/2017/12/cuidados-com-pressao-alta-na-gravidez.html

 

Durante o 1º Trimestre:


EXAMES GENÉTICOS E MOLECULARES

A partir da 8ª semana
Sexagem Fetal: Permite descobrir o sexo do bebê bem antes do nascimento para os papais se prepararem para receber um menino ou uma menina.

A partir da 9ª semana (ideal a partir da 10ª semana)
NIPT (DNA Fetal no Sangue Materno): Esse teste surge como a forma mais sensível de rastreamento de síndromes cromossômicas. É um exame de sangue que não traz risco para o feto e pode detectar 99% dos casos de Síndrome de Down.

http://www.maecomfilhos.blog.br/2018/04/ser-mae-depois-do-35-faz-bem.html

ROTINA ULTRASSONOGRÁFICA

Entre a 5ª e a 10ª semanas (ideal entre a 7ª e a 10ª semanas)
Avaliação Obstétrica Inicial Transvaginal: Analisa a gravidez em relação à localização – se realmente está dentro do útero -, o número de fetos e placentas – assim que a gestante irá descobrir quantos bebês virão – e o tamanho do embrião – melhor forma de averiguar a idade dele. Nesse exame que a mãe verá pela primeira vez o coraçãozinho do feto.

Entre a 11ª e a 14ª semanas (ideal na 12ª semana)
Morfológico do Primeiro Trimestre: O objetivo é rastrear síndromes genéticas com taxas de detecção de 90% dos casos de Síndrome de Down, além de outras malformações. Nessa fase a mamãe já poderá ver algumas partes do corpinho como mãos, pés e boca.

Avaliação do Colo Uterino Via Transvaginal: A prevenção do trabalho de parto prematuro continua sendo um desafio constante da Medicina Fetal e esse exame avalia os riscos de parto prematuro pela medida do colo uterino.
PERFIL BIOQUÍMICO

Entre a 10ª e a 14ª semanas (ideal na 10ª semana)
Fração Livre BHCG e PAPP-A: Quando realizado junto com o morfológico aumenta a taxa de detecção de Síndrome de Down para 96%.

RASTREAMENTO PARA PRÉ-ECLÂMPSIA

Entre a 10ª e a 14ª semanas (ideal na 10ª semana)
PAPP-A e PLGF: A pré-eclâmpsia é uma das principais responsáveis por morte materna, prematuridade e baixo peso ao nascer. O primeiro trimestre é a única oportunidade de tratamento preventivo para não desenvolver essa doença. Por isso, na ocasião do morfológico do primeiro trimestre é associado o doppler de artérias uterinas, a medida da pressão arterial materna e os marcadores bioquímicos sanguíneos (PAPP-A e PLGF).

http://www.maecomfilhos.blog.br/2017/12/cuidados-com-pressao-alta-na-gravidez.html

PROCEDIMENTO INVASIVO

Entre a 11ª e a 14ª semanas
Biópsia de Vilo Corial: É um procedimento ambulatorial por meio de agulha guiada por ultrassom e retira-se fragmentos placentários para avaliação da composição genética do bebê. Indicado em caso de alto risco para síndromes genéticas ou malformações estruturais.

Durante o 2º Trimestre:

PROCEDIMENTO INVASIVO

A partir da 16ª semana
Amniocentese: Trata-se da coleta de líquido amniótico por meio de agulha guiada por ultrassom para avaliação do cariótipo ou infecções fetais. Também é utilizado para confirmação diagnóstica no caso de NIPT alterado.

#PaisAos40 Translucência nucal e outros marcadores das 13 semanas de gravidez

ULTRASSONOGRAFIA

Entre a 18ª e a 24ª semanas (ideal na 22ª semana)
Morfológico do Segundo Trimestre: Detecta as deficiências estruturais e marcadores de cromossomopatias no feto, sendo possível diagnosticar 85% das malformações fetais. A avaliação é extremamente minuciosa e serve para avaliar detalhes da formação do cérebro, coração, tórax, órgãos abdominais, membros, genitália, coluna, pés e mãos.

Doppler Colorido das Artérias Uterinas: O doppler das artérias uterinas faz o rastreio das pacientes de maior risco para desenvolvimento de pré-eclâmpsia ou de fetos muito pequenos no decorrer da gestação.

Avaliação do Colo Uterino Via Transvaginal: Melhor época para rastreamento de risco do parto prematuro, por meio da medida via vaginal do colo uterino. Se diagnosticado um colo curto, formas de prevenção precisam ser imediatamente implantadas.

A partir da 20ª semana
Ecocardiograma Fetal: Tem como objetivo o diagnóstico precoce de malformação cardíaca que pode ser essencial para um adequado planejamento do parto e acompanhamento da equipe de cardiologia pediátrica.

Grávida e ágil no inverno

Entre o 2 e 3º Trimestre:

ULTRASSONOGRAFIA

Entre a 26ª e a 30ª semanas
Obstétrico 3D/4D: Nesse exame são geradas imagens do feto em três ou quatro dimensões e em tempo real. É a maneira mais real da gestante conhecer o rostinho do bebê.

Durante o 3º Trimestre:

ULTRASSONOGRAFIA E AVALIAÇÃO DE VITALIDADE

A partir da 28ª semana
Perï¬ l Biofísico Fetal: Exame para avaliar a vitalidade do feto. Reflete seu estado de bem-estar durante o teste.

Cardiotocograï¬ a: A cardiotocografia (CTG) é um método de avaliação do bem-estar fetal. Consiste no registro gráfico da frequência cardíaca do bebê e das contrações uterinas.

ROTINA LABORATORIAL

Entre a 35ª e a 37ª semanas
Swab Perianal e Vaginal para Pesquisa de Estreptococo B: A bactéria estreptococos do grupo B é um organismo comum que habita o trato gastrointestinal e a flora vaginal de até 30% das gestantes. A bactéria costuma ser inofensiva em grande parte dos casos. Ela só é agressiva para recém-nascidos no momento do parto (principalmente para os prematuros), por isso, é importante a realização do exame.

Qualquer fase da gravidez:

Ultrassonografia Obstétrica: O objetivo é avaliar a evolução do feto. Esse exame detecta as alterações no desenvolvimento, como macrossomia fetal e restrição de crescimento, além de modificações no líquido amniótico.

Doppler Colorido: É um recurso utilizado para avaliar o risco da pré-eclâmpsia maternal e a vitalidade crônica do bebê.

Vale explicar, neste post estamos falando de saúde privada. Na rede pública, os exames são outros, mas o Ministério da Saúde afirma que são os necessários para garantir a saúde da mãe e do bebê. Veja no post “Como funciona o acompanhamento da gestante pelo SUS” todos os detalhes do atendimento gratuito.

O Ministério da Saúde estabeleceu para o pré-natal um cronograma de acompanhamento que deve conter seis consultas durante toda a gestação, além de uma consulta após o parto.

É nas consultas que os profissionais de saúde conhecem as gestantes, traçam seu histórico de saúde e podem acompanhar o desenvolvimento fetal.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s